Contador de visitas

Jesus lhe disse que qualquer que beber desta água do poço tornará a ter sede, mas aquele que beber da água que Ele dá nunca mais terá sede, porque a água que Ele dá se faz uma fonte de água que salta para a vida eterna.

2008-2021 @ By Luiz Carlos Ferreira

contato@projetoribeirinhos.com.br

ORAMOS E PORQUE O MILAGRE NÃO ACONTECEU?

 

Mas nós oramos tanto e porque Deus não fez o milagre? Interessante esta pergunta, a qual é muito comum aos nossos ouvidos. E ouvi a mesma pergunta quando estávamos caídos no meio da Floresta Amazônica exatamente quando estávamos no vale da morte, alguns poucos metros da eternidade.

 

Mais uma viagem programada. Meu caçula e eu saímos do sul de Minas, atravessamos o país com o “servo” cujo propósito era escolher uma terra a qual o governo do Pará estava doando até 100 hectares ou possibilidade de compra caso desejasse uma área maior. Como houve uma invasão na região por gaúchos e mato-grossenses, tínhamos que nos apressar.

 

Mas assim que chegamos a Santarém, no último instante apareceu um amigo animado para nos acompanhar e que também desejou levar o tio em companhia, talvez se sentisse mais seguro indo ao lado do tio e Deus o usou, para tal decisão. Também nos levou utilizando condução própria o pai do amigo. Partimos e foram horas de balsa na travessia do Rio Amazonas e quase um dia de estrada, mas finalmente chegamos à boca da mata.

 

Ao chegarmos vimos que o igarapé Ariramba estava seco com algumas poças de água, algo não muito natural naquela época do ano, cuja época já era para estar chovendo bastante. Decidimos ir adiante até o baixão do buritizal, cerca de três horas dali pra ver se havia água, após cavar uma cacimba encontramos água e retornamos ao Ariramba onde estava nossa bagagem e na manhã seguinte partimos.

 

Loucuras que algumas vezes cometi pelo fato de não ter outra data para ir ou por não ter loucos para me acompanharem nas aventuras da vida cujo propósito era a salvação de pessoas cuja chance era mínina de serem alcançadas.

 

Naquele tempo andava somente pelo caminho costumeiro, nunca ficava de olho aos arredores, outras possibilidades de água em outro rumo. Aprendi lições e hoje tenho na agenda todas as coordenadas de GPS dos locais naquela região com possibilidade de água, às vezes pessoas morrem de sede estando a poucos metros de fontes de água, já que caminhar na mata densa requer atenção e cuidado e é praticamente impossível ver além de 80 metros a sua direita ou esquerda.

 

Após o baixão das queixadas não encontramos mais a preciosa água e mesmo assim seguimos naquela esperança de encontrar mais adiante, passamos pelo Barraco do Jacaré, naquele local (Foto igarapé seco) onde o Senhor fez o igarapé encher de água para matar a nossa sede, já relatei esta história aqui, naquele dia estava tão seco, mas tão seco tal qual encontrei na época do milagre. Ali relatei o milagre ocorrido aos companheiros de viagem. Mas desta vez Deus se recusou em encher aquele igarapé novamente.

 

Chegamos até onde havia uma lagoa, hoje recebe o nome de Lagoa da sede, (Local onde Deus curou o alérgico) ali cavamos e cavamos e não havia água, colocamos plástico rente ao solo para captar a umidade do solo, mas a seca era tão grande que nem umidade havia. Ali urinei na caneca, deixei esfriar e decidi beber, eram quase três dias sem água, decidimos então voltar.

 

Ali deixei a maioria das minhas coisas para aliviar o peso. Que dois meses depois foram encontradas pelos amigos do norte e ali montaram acampamento onde ficaram três meses aguardando nosso retorno.

 

Ao longo do caminho vi meu caçula, mastigando talos de plantas para tentar absorver algum líquido, o vi ajoelhado no chão lambendo as folhas onde havia urina de macaco para amenizar a sede, todo ouriço de castanha que estavam abertos, roídos pelas cutias nós virávamos na boca na esperança de ter ao menos ali dentro uma gota de água e em alguns achamos pouca coisa, águas pretas sujas, cheia de folhas, de cabeça de prego, algumas quando viramos na boca aranhas subiam pelo rosto tentando fugir da mastigação. Cipós? Secos sem água. Raízes? Também secas. Cacimbas? Perda de tempo cavar.

 

Imagine o coração do pai, vendo o filho nesta situação, mas meu filho estava em melhor estado físico e o tio do amigo também, então pedi que os dois fossem embora, voltassem e que tentassem salvar a vida deles e que não se preocupassem com nós. Despedimos-nos e dei as últimas recomendações e uma delas foi que estivessem atentos ao caminho para não se perderem. Eles partiram e o coração do pai partiu também, vendo o caçula sumir entre as enormes árvores.

 

O amigo e eu chegamos ao limite físico, nossas vistas se escureceram e aqui e acolá caíamos naquela mata, aos poucos fomos desfazendo de toda a bagagem, ficamos apenas de calção, com um facão, uma arma, um saco plástico com alguns poucos remédios e o amigo ainda decidiu levar com ele algumas lembranças do filho. Decidi atirar num macaco para beber o sangue dele, para amenizar a sede.

 

Adiante cai totalmente sem forças, coração batendo lentamente, inclusive bati a cabeça numa castanheira morta, o amigo caiu ao meu lado. Fracos, vistas escuras, boca seca, nem salivas haviam mais, completamente desidratados. Ao nosso redor arbustos estavam com as folhas retorcidas da sequidão, carrapatos subiam pelo nosso corpo aos milhares.

Ali meu amigo começou a jogar fora as últimas coisas que possuía, lembranças do filho que ainda carregava. Ambos caídos olhando para o céu. Poucas nuvens passando e o amigo me perguntava: “Luiz Deus já fez muitos milagres para você aqui nesta mata e porque Ele não faz chover agora?

 

Respondi “Sim Deus já fez inúmeros milagres e o porquê de não derramar chuva agora, já, já saberemos, vamos perguntar pessoalmente para Ele, você está pronto para se encontrar com Jesus agora?

 

Em Breve continuará....